27.3.11

carta












































Sinto-me perdida....por um lado aliviada. Há anos que a Bibita não tinha vida, só sofrimento. Sei que está melhor agora, ao pé do manel. Mas sabes? há sempre um lado egoísta de querer manter as pessoas de quem gostamos perto, e por mais que seja uma morte esperada, a dor não é por isso menor.
Sou uma previlegiada. Tive os melhores avós do mundo. Foram parte da minha base, da minha estrutura.São parte do que sou. É incrivel...não consigo dissociar um do outro. onde está a bibita está o manel.Os meus avós representam  tudo aquilo que eu procuro ser em bruto, depois claro cada um com a sua individualidade, personalidade, características próprias de cada ser, construímos o nosso próprio eu...os meus avós representam união, amor, paixão, respeito, amizade, generosidade, afecto, familia, humildade, humor, inteligência, e também os erros que cometeram ao longo da vida, fazendo deles pessoas ainda mais especiais por serem tão humanas. Pessoas que acima de tudo sentiam.
Agora, neste ciclo que se fecha apesar da dor e saudades ( e até de alguma desorientação) sinto-me riquíssima. Com todos os ingredientes para continuar. Uma privilegiada por me terem dado tanto.
 Por pretensioso que possa parecer fica sensação de que a minha avó esperou o meu regresso para poder ir. Na quarta feira estivemos as duas....conversámos. Eu falei, brinquei e mimei...e num quase milagre (desde o verão que não tinha qualquer sinal de reconhecimento em relação a mim) sorriu, até me deu beijinhos...mas o que é a comunicação afinal de contas?!? sim foi uma conversa, ao nosso jeito. prometi-lhe que não saía mais de ao pé dela. que não voltava para Barcelona, que desta vez era para ficar..e dei-lhe beijinhos. imensos. Umas horas depois começou a piorar, no dia seguinte foi para o hospital....terminando a historia como já sabes.
Uma geração fechou. um ciclo da minha vida também. a morte da minha avó foi apenas o ponto final neste ciclo que todo este último ano se tem vindo a fechar.Agora corresponde-me lutar. lutar pelos meus sonhos. lutar com a mesma força com que a minha avó lutou estes anos contra a morte.
Espero conseguir meter numa caixa guardada no meu coração todas as tristezas, saudades.Uma caixa que  vai estar sempre aqui para ir coleccionando as perdas, mas vai estar sempre fechada. quando precisar abro-a, choro o que precisar e volto a fechar.  E tentar encher o resto do coração só com coisas boas.

beijo.

1 comentário:

Mariana disse...

Nunca poderias ter passado as coisas para o "papel"tão bem como o fizeste. Adoro-te.